Lesma da esponja amarela Versão para impressão

Tylodina perversa sobre a esponja amarela, Aplysina aerophoba


A lesma-da-esponja-amarela (Tylodina perversa) é um molusco marinho pertencente à classe Gastropoda. Esta classe caracteriza-se por ter uma concha, a cabeça bem definida e unida a um pé musculoso. 

Contudo esta espécie pertence a um grupo de gastrópodes com a concha reduzida ou ausente (Opisthobranchia).

-Tylodina, derivado do grego “tulos” que significa saliência.
-perversa, do latim “perversus” que advém da sua excelente capacidade de se camuflar na esponja. 

 

 

Identificação

‘Família’ de 7 indivíduos de T. perversa em banquete sobre a esponja amarela, consegue descobri-las?

Os indivíduos desta espécie não têm por hábito ultrapassar os 40 mm em comprimento, apesar de alguns estarem referidos como “gigantes”, os quais medem até 75 mm. A coloração geral do animal (cabeça, manto, lados do corpo, pé e rinóforos) é intensa e uniformemente amarela. O corpo é alto e o manto não é completamente desenvolvido, vendo-se assim envolvido pela concha. Esta por sua vez mostra-se ligeiramente cónica com o ápice direcionado para trás, de tipo pateliforme, como se verifica nas lapas, cobrindo também quase todo o dorso do animal aquando das situações em que este se apresenta em estado de repouso.

Quando em movimento o pé e a cabeça saem fora da concha. Tipicamente, a concha não é muito calcificada e exibe-se coberta pelo perióstraco, uma camada orgânica que evita o crescimento de outros organismos sésseis por cima da mesma. A superfície da concha ostenta estrias radiais acastanhadas que não chegam até ao ápice, assim como estrias concêntricas de crescimento.

Na cabeça encontra-se um par de longos rinóforos, auriculados e mais grossos na base, e entre estes encontram-se os olhos. A cabeça é estendida para a frente formando um véu cefálico, do qual dois pequenos tentáculos orais triangulares sobressaem. As brânquias estão localizadas do lado direito do animal e, protegidas pela concha, compreendem cerca de 10 lamelas bipenadas coradas também de amarelo. A abertura anal está localizada atrás da base das brânquias e o orifício genital pode ser notado mesmo atrás do tentáculo oral do lado direito. O pé é muito grande, amarelo e possui estrias radiais à volta da sua margem.

 

Biologia e distribuição

Pormenor de 5 T. perversa

Tylodina perversa é um gastrópode opistobrânquio, marinho, críptico devido a sua intensa cor amarela que é idêntica a cor do animal sobre o qual vive e do qual se alimenta, a esponja-amarela Aplysina aerophoba. Essa cor é adquirida devido à ingestão do pigmento uranidina presente na esponja.

Alimenta-se preferencialmente dessa esponja na qual habitam cianobactérias simbióticas. Este tipo de esponjas localiza-se a baixas profundidades (<15m) permitindo as cianobactérias captarem mais luz e levando o opistobrânquio a viver em profundidades iguais.

É um animal hermafrodita, isto é, um indivíduo produz gâmetas masculinos e gâmetas femininos.

    

Mapa de distribuição

Mapa de distribuição

Curiosidades

Tylodina perversa adquire a cor amarela da esponja de que se alimenta (Aplysina aerophoba). Esta espécie de esponja produz uma série de substâncias alcaloides, tóxicas para os predadores. Quando são ingeridas pela Lesma-da-esponja-amarela, esta última pode expulsa-las quando se sente em perigo de ataque. Outro dado interessante que a população deste opistobrânquio aumenta em lugares em que há maior concentração de cianobactérias simbiontes com a esponja.

A Lesma-da-esponja-amarela alimenta-se preferencialmente das camadas superficiais da esponja, onde estão inseridas as cianobactérias, e evita ativamente as camadas mais profundas, sem cianobactérias. Este facto põe em questão o modo de alimentação da lesma que era considerada carnívora e que podia ser considerada herbívora uma vez que se alimenta preferencialmente das camadas que contêm cianobactérias e das esponjas que albergam essas cianobactérias. Por último, ao tirar da água, tanto a esponja como o molusco mudam da cor amarela habitual a uma cor acastanhada.

 

Referências bibliográficas

Ballesteros, M., Madrenas, E. Pontes, M. et al., 2012-2015, “Tylodina perversa” in OPK-Opistobranquis, Publicado em 19/04/2012, http://opistobranquis.info/en/1EjbM, acedido a 19/10/2015

Becerro, M. A., Turon, X., Uriz, M. J. & Templado, J. (2003) Can a sponge feeder be a herbivore? Tylodina perversa (Gastropoda) feeding on Aplysina aerophoba (Demospongiae). Biol J Linn Soc, 78: 429-438.

Gofas, S.; Le Renard, J.; Bouchet, P. (2001). Mollusca. in: Costello, M.J. et al. (Ed.) (2001). European register of marine species: a check-list of the marine species in Europe and a bibliography of guides to their identification. Collection Patrimoines Naturels. 50: pp. 180-213.

Koukouras, A. (2010). Check-list of marine species from Greece. Aristotle University of Thessaloniki. Assembled in the framework of the EU FP7 PESI project.

Rolán E., 2005. Malacological Fauna From The Cape Verde Archipelago. Part 1, Polyplacophora and Gastropoda.

Wägele, H. & Klussmann-Kolb, A. (2005) Opisthobranchia (Mollusca, Gastropoda) - more than just slimy slugs. Shell reduction and its implications on defence and foraging. Frontiers in Zoology, 2:3 doi:10.1186/1742-9994-2-3.

 

Foto de grupo

Alunos da disciplina de Zoologia Comparada, do curso de Biologia da Universidade da Madeira sob orientação do Prof. Doutor Manfred Kaufmann

Ana Rodrigues, Bruno Macedo, Carlos Silva, Diego Dieste, Elisa Teixeira, Hugo Gama, José Reis, Lydia Orfãos, Mafalda Marques, Inês Leite, Pedro Álvarez