3 Agosto 2021
pt | en Contactos | Mapa do Site
Página Inicial » Espécie do Mês » Tubarão martelo
Tubarão martelo Versão para impressão Enviar por E-mail

Os tubarões-martelo são assim conhecidos por apresentarem uma estrutura cefálica peculiar. A sua cabeça achatada e lateralmente expandida, quando observada de cima, apresenta um aspeto retângular que faz lembrar o formato de um martelo, daí o termo vernáculo de "tubarão-martelo"que lhes foi atribuído. 

Identificação

Cabeça comprimida em forma de martelo sendo referida como "cephalophoil". O “cephalophoil” é largo e achatado com uma ampla margem arredondada sem entalhe anterior. Os olhos estão localizados sobre as bordas exteriores do “cephalophoil” com as narinas também distribuídos distantes. A boca localiza-se ventralmente.  Existem cerca de 9 espécies pelo que é a forma da cabeça ou do  “cephalophoil” que permite uma fácil distinção de outros tipos de tubarões.
Na espécie mais comum em Portugal e na Madeira, S. zygaena, o bordo anterior é arqueado suave, sem uma depressão na parte central. A 1ª barbatana dorsal é moderadamente alta com ápice arredondado.
O corpo é verde-azeitona escuro ao castanho-cinza na parte dorsal e a parte ventral é esbranquiçada.

 

 



Biologia, alimentação e reprodução

A espécie mais comum em Portugal e que aqui é descrita, Sphyrna zygaena mede cerca de 2.5 e os 3.5 m atingindo um máximo de 5m de comprimento e pesando até 400 kg. Estima-se que vive mais de 20 anos.
Nas restantes espécies de tubarão-martelo existem tubarões de pequeno, médio e grande porte. O tamanho e a longevidade de um tubarão-martelo podem, em alguns casos, ser consideráveis. No caso do grande-tubarão-martelo Sphyrna mokarran os exemplares podem ultrapassar os 6 metros de comprimento, no caso da espécie, S. lewini, foi registado um animal com idade estimada em 35 anos.

Alimentação: Os tubarões-martelo são predadores ativos. Enquanto os de pequeno porte alimentam-se sobretudo de invertebrados (caranguejos, camarões, lagostas, lulas) e pequenos peixes ósseos, as espécies de maiores dimensões predam fundamentalmente sobre peixes, incluindo mesmo raias e até outros tubarões. No entanto, não são conhecidos hábitos de canibalismo intra-específico entre os tubarões-martelo.

Reprodução: Os tubarões-martelo são vivíparos, as crias desenvolvem-se no interior do útero materno até ao momento de esta dar à luz dendo os embriões nutridos por uma estrutura de placenta ligada a um saco vitelino. O nascimento ocorre durante os meses de verão, resultando em uma ninhada de crias grande 2-40 após um período de gestação 10-11 meses. As crias medem cerca de 50 cm em comprimento ao nascimento. Dado que não existem nos tubarões cuidados parentais pós-postura, os tubarões-martelo já nascem completamente desenvolvidos e prontos a caçar por si sós.

Habitat e Distribuição

Os tubarões-martelo são espécies pelágicas e encontram-se amplamente distribuídas por todo o Mundo. Ocorrem fundamentalmente perto da costa e nas camadas mais superficiais da coluna de água, em geral acima dos 300 metros. Embora os tubarões-martelo se tratem de nadadores ativos, nenhuma das espécies é considerada oceânica por natureza.
São animais marinhos, embora por vezes seja detectada a sua presença em zonas de águas hialinas (como, por exemplo, estuários). A distribuição geográfica dos tubarões-martelo abrange regiões tropicais e temperadas de todos os oceanos, mas grande parte das espécies ocorre sobretudo em águas mais quentes.
A espécie Sphyrna zygaena é encontrada em todo o mundo em águas temperadas. No Atlântico ocidental esta espécie é encontrada desde o Canadá até às Ilhas Virgens a sul e do Brasil à Argentina, enquanto no Atlântico oriental ocorre desde as ilhas britânicas ao sul da Costa do Marfim, incluindo o Mar Mediterrâneo. No Oceano Índico ocidental, ocorre ao largo das costas da África do Sul, Índia e Sri Lanka. A distribuição no Oceano Pacífico inclui entre Vietname e Japão e Austrália e Nova Zelândia, no oeste, as ilhas havaianas na região central, e a Califórnia (EUA), Panamá, Galápagos, Equador e Chile, no leste.

Curiosidades, utilizações e perigos

Curiosidades: Existem diferentes correntes de pensamento que se debruçam sobre a forma característica da cabeça dos dos tubarões-martelo, e as supostas vantagens que esta poderá conferir-lhes em relação às demais espécies de tubarões. De um lado, estão os que defendem que a forma da cabeça, em virtude da sua semelhança aos "flaps" de um avião, actua sobretudo ao nível do desempenho natatório do animal, proporcionando um efeito de estabilizador (hidroplanagem) e ainda uma minimização da resistência da água ao movimento, permitindo a um tubarão-martelo efectuar mudanças laterais de direcção muito repentinas. Do lado oposto, encontram-se os que argumentam em favor das vantagens trazidas pela forma cabeça em termos sensoriais, pois que o maior distanciamento entre os olhos e os orifícios nasais permite aos tubarões-martelo incrementará presumivelmente a sua acuidade visual e a percepção electro-sensorial, com capacidade de sondagem numa área mais alargada da coluna de água.

Importância para o Homem: O tubarão-martelo é alvo de pesca comercial e desportiva e é provavelmente capturado como by-catch (pescaria acessória) em diversas pescarias. É utilizado fresco, seco salgado e fumado para consumo humano. No entanto, na maioria dos mercados, a carne é considerada de qualidade inferior e há registos de ter causado toxicidade e envenenamento. O óleo de fígado é utilizado em vitaminas, a pele para trabalhos de couro e as barbatanas para a alimentação (a famosa sopa oriental de barbatana de tubarão). Parte do corpo é utilizado para a produção de rações animais nalgumas partes do mundo.

 

 

Perigo para o Homem: Os tubarões-martelo são considerados potencialmente perigosos para o Homem. As espécies de maior porte podem ser consideradas potencialmente perigosas para o Homem, salientando-se os casos de Shyrna mokaran (nas regiões tropicais) e da espécie aqui referida Sphyrna zygaena. No entanto, os registos de ataques são escassos e, na maioria, duvidosos. O comportamento mais habitual destas espécies, quando confrontadas com seres humanos, é fugir ou manter uma distância de segurança, o que causa grande frustração para os mergulhadores, em vez de um sentimento de perigo efectivo. Não há conhecimento de muitos casos de ataques de tubarões-martelo em Portugal mas os principais alvos são os caçadores submarinos, principalmente aqueles que tentam manter junto de si a o peixe capturado.

 

Bibliografia


Compagno, L.J.V. FAO species catalogue, 4 - Sharks of the world. An annotated and illustrated catalogue of sharks species known to date. Part 2 Carcharhiniformes. FAO Fish. Syn., Roma, v.4, n.2, p.251-655, 1984.


Compagno, L.J.V. (1999) Checklist of living elasmobranchs, pp. 471–498. In: Hamlett, W. C. [ed.]. Sharks, skates, and rays: the biology of elasmobranch fishes. The Johns Hopkins Univeristy Press, Baltimore & London., i–x, 1–515.


Compagno, L.J.V, M. Dando S. Fowler. 2005. A field guide to the sharks of the world. Harper Collins Publ. Ltd. London. 368 pp.


São animais de médio e grande porte, podendo os indivíduos desta espécie atingir 1,5 m de comprimento e um e um peso total igual ou superior a 10 Kg
 
Taxonomia
Império: Eukariota
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Subfilo: Vertebrata
Classe: Chondrichthyes
Ordem: Carcharhiniformes
Família: Sphyrnidae
Género: Sphyrna
Espécie: S. zygaena (Linnaeus 1758)
Autor desta ficha
Teresa Mafalda G. Jardim Freitas Araujo Teresa Mafalda G. Jardim Freitas Araujo
Directora da Estação de Biologia Marinha do Funchal
Saiba mais em:
Mapa do Site | Sugestões | Condições de utilização | Privacidade | © 2021, Municipio do Funchal Facebook | RSS