18 Setembro 2021
pt | en Contactos | Mapa do Site
Página Inicial » Espécie do Mês » Madre-louro
Madre-louro Versão para impressão Enviar por E-mail

fig1O Laurobasidium lauri, vulgarmente conhecido por madre-louro, é um fungo utilizado na medicina popular madeirense, provavelmente na forma de pó, actuando como hemostático, hemagogo, tónico, anti-reumatismal e como insecticida..

 

 

 

 

fig2Na ilha da Madeira, esta espécie de fungo vive especificamente como parasita do loureiro (Laurus novocanariensis) no entanto, noutras regiões, pode parasitar outras lauráceas.

 

 

Identificação

fig3O basidioma inicia-se a partir de um inchamento da zona infectada, dando lugar a excrescências esverdeadas que, posteriormente se alongam e recurvam, adquirindo um tom castanho-escuro, quase negro (assemelhando-se a uma vagem de alfarrobeira). Podem atingir mais de 20 cm de comprimento.

 

 

Distribuição

fig4A nível da Macaronésia, Laurobasidium lauri está presente nas ilhas da Madeira e das Canárias onde parasita o loureiro (Laurus novocanariensis). Também está devidamente documentada a ocorrência desta espécie de fungo na Corunha (Espanha), parasitando árvores de Laurus nobilis e em Portugal Continental (Minho, Beira Litoral e Estremadura) a parasitar a mesma espécie de árvore.

 

 

 

 

 

Curiosidades e usos

fig5Um estudo recente sobre medicina popular na freguesia da Ilha (concelho de Santana) menciona a ingestão de um pequeno cálice, para dores de barriga e má disposição, de uma infusão em aguardente preparada com este fungo, botões de macela (ou camomila) e caninha (Cymbopogon citratus). Às mulheres, em período de pós-parto, é também dado um cálice pequeno de uma infusão em aguardente com alfavaca (Parietaria judaica), sempre-noiva (Polygonum aviculare), canela-branca (Peperomia galioides) e madre-louro, que fica 8 a 15 dias debaixo do estrume da vaca, nos palheiros.

 

 

 

 

Referências bibliográficas

Baudet, A. B. 2005. Fungos. In: Arechavaleta M., Zurita, N., Marrero, M. C. & Martín, J. L. (eds.), Lista preliminar de especies silvestres de Cabo Verde (hongos, plantas y animales terrestres). pp. 23-26. Consejería de Medio Ambiente y Ordenación Territorial, Gobierno de Canarias.

Calonge, F. D. & M. Menezes de Sequeira. (2003). Contribución al catálogo de los hongos de Madeira (Portugal). Boletin Sociedad Micológica de Madrid. 27: 277-308.

Calonge, F. D. & M. Menezes de Sequeira. (2011). Guia para identificação das espécies mais frequentes de Cogumelos da Madeira. Direcção Regional do Ambiente da Madeira. 260 pp.

Castro Cerceda, M. L. & L. Freire. 1991. Laurobasidium lauri (Geyler) Jülich. Especie mediterránea en Galicia (N. O. de la Península Ibérica). Munibe (Ciencias Naturales), 4: 99-101.

Coutinho, A. X. P.. 1919. Eubasidiomycetes lusitanici. Imprensa de Manuel Lucas Torres. Lisboa. 195 pp.

Melo, I. & Cardoso, J. 2008. Os Fungos (Fungi) dos Arquipélagos da Madeira e das Selvagens. In: Borges, P. A. V., Abreu, C., Aguiar, A. M. F., Carvalho, P., Jardim, R., Melo, I., Oliveira, P., Sérgio, C., Serrano, A. R. M. & Vieira, P. (eds.), Listagem dos fungos flora e fauna terrestre dos arquipélagos da Madeira e Selvagens. pp. 57-93. Direcção Regional do Ambiente da Madeira e Universidade dos Açores. Funchal e Angra do Heroísmo.

Melo, I., Cardoso, J., Dueñas, M., Salcedo, I. & Tellería, M. T. (2010). Lista dos Fungos (Fungi). In: Borges, P. A. V., Costa, A., Cunha, R., Gabriel, R., Gonçalves, V., Martins, A. F., Melo, I., Parente, M., Raposeiro, P., Rodrigues, P., Santos, R. S., Silva, L., Vieira, P. & Vieira, V. (eds.), A list of the terrestrial and marine biota from the Azores. pp. 37-58, Princípia, Cascais, 432 pp.

Menezes de Sequeira, M., S. Fontinha, F. Freitas, L. Ramos & M. G. Mateus. 2006. Plantas e Usos Tradicionais nas Memórias de Hoje. Freguesia da Ilha. Casa do Povo da Ilha/Parque Natural da Madeira. Funchal. 93 pp.

Perreau, J.. 1988. Bory de Saint-Vincent premier descripteur du “Clavaria lauri” maintenant nommé Laurobasidium lauri (Brotero: Fries) Jülich. Boletim do Museu Municipal do Funchal, 40 (195): 45-54.

Rivera, D. & C. Obón. 1995. The ethnopharmacology of Madeira and Porto Santo Islands, a review. Journal of Ethnopharmacology, 46 (2): 73-93.

Tejera, E. B.. 2010. Fungi (sensu lato). In: Lista de especies silvestres de Canarias. Hongos, plantas y animales terrestres. 2009. Arechavaleta, M., S. Rodríguez, N. Zurita, & A. García (COORD.). Gobierno de Canarias. p: 25-70.

A nível da Macaronésia, Laurobasidium lauri está presente nas ilhas da Madeira e das Canárias onde parasita o loureiro (Laurus novocanariensis). Também está devidamente documentada a ocorrência desta espécie de fungo na Corunha (Espanha), parasitando árvores de Laurus nobilis e em Portugal Continental (Minho, Beira Litoral e Estremadura) a parasitar a mesma espécie de árvore
 
Taxonomia
Império: Eukaryota
Reino: Fungi
Divisão: Basidiomycota
Classe: Exobasidiomycetes
Ordem: Exobasidiales
Família: Exobasidiaceae
Género: Laurobasidium
Espécie: L. lauri (Geyl.) Jülich Jülich
Autor desta ficha
Juan José Gonçalves Silva Juan José Gonçalves Silva
Conservador de Botânica e Responsável pelo Herbário
Mapa do Site | Sugestões | Condições de utilização | Privacidade | © 2021, Municipio do Funchal Facebook | RSS