3 Agosto 2021
pt | en Contactos | Mapa do Site
Página Inicial » Espécie do Mês » Funcho
Funcho Versão para impressão Enviar por E-mail

Planta do funchoA História relata que João Gonçalves Zargo ao desembarcar num vale formoso com imenso arvoredo e cheio de funcho até ao mar decidiu designar a povoação, posteriormente erigida, de Funchal.

 

 

 

 

 

 

Habitat natural do Funcho na MadeiraNa Madeira, esta planta de origem mediterrânica é indígena e ocorre, principalmente, nas encostas rochosas do Sul, perto do mar. Também pode ser encontrada na ilha do Porto Santo. Durante o Verão aparecem as pequenas flores amarelas agrupadas em umbelas, muito características da família das apiáceas à qual pertence o funcho. Em termos de comunidades vegetais, o funcho ocorre no Zambujal e partilha, actualmente, este habitat com a tabaibeira (Opuntia tuna), a malfurada (Globularia salicina), o ensaião (Aeonium glutinosum) e várias outras espécies, nomeadamente, gramíneas.


Identificação

Pormenor da inflorescência do funchoPlanta herbácea, bianual ou perene, com os ramos (que se renovam todos os anos) atingindo 2,5 metros de altura. As folhas apresentam um forte aroma a anis, são verde escuras ou glaucas, 3-4 pinatissectas, triangulares, muito recortadas em numerosos lobos filiformes. O cálice não tem dentes. As flores encontram-se dispostas numa umbela pedunculada, composta, com 4-30 raios, sem brácteas ou bractéolas. Estas são pequenas, amarelas, com estigmas sésseis e os estiletes desenvolvem-se apenas na frutificação. Os frutos são ovóides a oblongos, com 4-10 mm.

 

Distribuição

Pormenor da planta do funchoNo arquipélago da Madeira esta espécie autóctone pode ser encontrada nas ilhas da Madeira e do Porto Santo.

Nos restantes arquipélagos da Macaronésia esta espécie ocorre em todas as ilhas dos Açores (introduzida) e das Canárias (possivelmente nativa); em Cabo Verde a espécie (introduzida) pode ser encontrada nas ilhas Santo Antão, São Vicente, São Nicolau, Santiago, Fogo e Brava.

A nível mundial a espécie é nativa da bacia do Mediterrâneo.

 

Curiosidades e usos

Rebuçados de funcho fabricados na MadeiraConta a História da Madeira que os descobridores ou primitivos povoadores, ao desembarcarem neste formoso vale encontraram esta planta a crescer abundantemente razão pela qual se começou a chamar esta localidade de Funchal. Ao visitar o Pico do Funcho, localizado na freguesia de São Martinho (concelho do Funchal), rapidamente percebemos o porquê deste nome. Falando de funcho vem logo à ideia os saborosos e tradicionais rebuçados confeccionados com a essência desta planta e que, para além de constituírem uma guloseima são utilizados para acalmar a tosse e rouquidão.

O óleo essencial, principalmente aquele que é extraído dos frutos secos, é amplamente utilizado nas indústrias alimentar, farmacêutica, cosmética e perfumaria. Estudos científicos provaram que os óleos essenciais do funcho possuem propriedades anti-inflamatórias, anti-espasmódicas, diuréticas, expectorantes, laxativas, analgésicas, estimulantes da mobilidade intestinal e são usados no tratamento de distúrbios nervosos. Também são conhecidos os seus efeitos como estimulante do apetite e da produção de leite nas mulheres que estão a amamentar.

Bolbo de funcho da variedade A variedade azoricum (Miller) Thellung é muito cultivada devido à utilização da parte subterrânea como vegetal que pode ser cozida e servida com manteiga, por exemplo. As sementes são usadas em infusões, na pastelaria e na confecção de licores.

No jardim, o funcho ajuda a repelir lesmas e caracóis.

Referências bibliográficas

Acebes Ginovés, J. R., del Arco Aguilar, M., García Gallo, A., León Arencibia, M. C., Pérez de Paz, P. L., Rodríguez Delgado, O., Wildpret de la Torre, W., Martín Osorio, V. E., Marrero Gómez, M. C. & Rodríguez Navarro, M. L.. 2004. Pteridophyta & Spermatophyta. In: Izquierdo, I., Martín, J. L., Zurita, N. & Arechavaleta, M. (eds.), Lista de especies silvestres de Canarias (hongos, plantas y animales terrestres). pp. 96-143. Consejería de Medio Ambiente y Ordenación Territorial, Gobierno de Canarias.

Bown, Deni. 1995. The Royal Horticultural Society Encyclopedia of Herbs and their uses. Dorling Kindersley. London. 424 pp.

Hansen, A. & Sunding, P..1993. Flora of Macaronesia. Checklist of vascular plants. 4th revised edition, Sommerfeltia, 17: 1-295.

Jardim, R. & Sequeira, M. M. 2008. As plantas vasculares (Pteridophyta e Spermatophyta) dos arquipélagos da Madeira e das Selvagens. In: Borges, P. A. V., Abreu, C., Aguiar, A. M. F., Carvalho, P., Jardim, R., Melo, I., Oliveira, P., Sérgio, C., Serrano, A. R. M. & Vieira, P. (eds.), Listagem dos fungos flora e fauna terrestre dos arquipélagos da Madeira e Selvagens. pp. 181-207. Direcção Regional do Ambiente da Madeira e Universidade dos Açores. Funchal e Angra do Heroísmo.

Menezes de Sequeira, M.; S. Fontinha; F. Freitas; L. Ramos & M. G. Mateus. 2006. Plantas e Usos Tradicionais nas Memórias de Hoje. Freguesia da Ilha. Casa do Povo da Ilha/Parque Natural da Madeira. 93 pp.

Cannon, M. J. 1994. Umbelliferae. In: Press, J. R. & Short, M. J. (eds.), Flora of Madeira, pp. 245-246. The Natural History Museum. London.

Sánchez-Pinto, L., Rodríguez, M. L., Rodríguez, S., Martín, K., Cabrera, A. & Marrero, M. C.. 2005. Spermatophyta. In: Arechavaleta M., Zurita, N., Marrero, M. C. & Martín, J. L. (eds.), Lista preliminar de especies silvestres de Cabo Verde (hongos, plantas y animales terrestres). pp. 40-57. Consejería de Medio Ambiente y Ordenación Territorial, Gobierno de Canarias.

Silva, F. A.; Menezes, C. A. 1965. Elucidário Madeirense. 3ª ed. Funchal. Ed. Junta Geral do Distrito Autónomo do Funchal. Vol. II – 448 pp.

Silva, L., Pinto, N., Press, B., Rumsey, F., Carine, M., Henderson, S. & Sjögren, E.. 2005. List of vascular plants (Pteridophyta and Spermatophyta). In: Borges, P. A. V., Cunha, R., Gabriel, R., Martins, A. F., Silva, L. & Vieira, V. (eds.), A list of the terrestrial fauna (Mollusca and Arthropoda) and flora (Bryophyta, Pteridophyta and Spermatophyta) from the Azores. pp. 131-155. Direcção Regional do Ambiente and Universidade dos Açores. Horta, Angra do Heroísmo and Ponta Delgada.

Tutin, T. G.; V. H. Heywood; N. A. Burges; D. M. Moore; D. H. Valentine; S. M. Walters & D. A. Webb (eds.). 1968. Flora Europaea. Vol. 2 (Rosaceae-Umbelliferae). Cambridge University Press. 455 pp.

 

 
Taxonomia
Império: Eukaryota
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Umbellales
Família: Apiaceae
Género: Foeniculum
Espécie: F. vulgare Mill.
Autor desta ficha
Juan José Gonçalves Silva Juan José Gonçalves Silva
Conservador de Botânica e Responsável pelo Herbário
Saiba mais em:
Mapa do Site | Sugestões | Condições de utilização | Privacidade | © 2021, Municipio do Funchal Facebook | RSS